Tudo é bastante fragmentário…

Nutrir e reforçar a esperança em tempos não-utópicos

Ser solidário não custa nadaO nosso tempo traz a marca do pensamento débil.Tudo é bastante fragmentário.Essa é uma característica da chamada cultura pós-moderna.O incentivo é para que se desfrute do momento presente,sem raízes no passado e sem medir conseqüências empenhativas para o futuro.

Nesse ambiente há pouca razão para a sensibilidade às necessidades do outro.O que importa é a minha situação.A situação do outro é problema dele.A solidariedade dá-se,quando muito,na superfície.Costuma-se avaliar uma pessoa pelo grau de poder  aquisitivo que possui.

A visibilidade de alguém é proporcional ao seu poder de compra e à sua influência política.Há enorme exaltação às aparências e ao consumismo.Os sonhos da maioria das pessoas pendem para esse lado,debilitando o pensamento.

Há muitos efeitos visuais e bastante barulho.Mas o que fica de consistente de tudo isso? Há caminhos alternativos?

A vida é muito mais teimosa e inteligente do que se pensava.Possui uma extraordinária capacidade de adaptação.O homem como ser pensante surgiu na face do planeta em época relativamente recente: há 300.000 anos,ao que parece.Não admira,pois,que sejamos ainda tão bisonhos na arte de pensar.

Cultivamos a arte do pensamento útil e correto,e esquecemos que o sentimento é tão inteligente quanto a própria razão.O conhecimento é sempre fruto de uma experiência interior,o resto é informação,dizia Einstein.

O homem é infinitamente mais do que máquina ou animal pensante.A verdade não é apenas uma questão de fé.É,em sua essência,uma forma de amor.

É isso que Cristo veio anunciar.E tudo isso deve tomar em conta quem quer ter uma idéia de como vai ser o futuro espiritual da humanidade.

O tempo em que o Criador nos colocou é de natureza evolutiva.A vida veio para vencer,e não apenas para sobreviver.O mesmo vale para a vida espiritual.

Santo Agostinho(354-430) foi um dos primeiros pensadores cristãos que se deu conta de que a vida de fé é mais do que uma simples questão de desenvolvimento.O verdadeiro caminho da fé,diz ele,passa pela transformação.

Os instrumentos e meios capazes de fazer feliz uma criança já não servem mais para realizar uma pessoa adulta.Não são os anos que separam um adulto do  seu tempo de criança.A diferença está nos instrumentos de que se serve para dar um significado e um conteúdo gratificante ao tempo,que é o dia de uma criança.

Num livro intitulado A Totalidade e a Ordem  Implicada(Ed.Cultrix) o físico atômico americano David Bohm se dispõe a apresentar ao leitor “uma nova percepção da realidade”.Tudo o que nós,cientistas,filósofos etc apresentamos como  sendo a Realidade,é apenas uma parte dela.Reflete e representa a parcela que nossa mente conseguiu aprender.

Tudo o que costumamos arrolar como conhecimento objetivo da realidade,nada mais é,na verdade,do que o fruto de nossa incapacidade  de ver o universo como totalidade.

Precisamos oferecer aos homens e às mulheres  do Terceiro Milênio paradigmas éticos e religiosos como medida e padrão de valorização existencial.

A esperança não consiste em aguardar que as coisas aconteçam,torcendo para que o resultado esteja de acordo com o que desejamos.

A esperança é uma virtude singular: ela predispõe o indivíduo a morrer por uma causa,se for preciso.Aqueles que vivem da esperança são os que não se contentam com o que alcançaram.Querem-no de forma efetiva,não o querem apenas para si.

Em toda esperança existe a lógica do amor.A experiência humana da esperança se  desdobra em três níveis de realização:

– O nível mais profundo,em nosso ser,no qual ela se identifica com o próprio ela vital.

-Em plano propriamente humano,a esperança vai ao encontro dos desejos e projetos racionais,animando o viver,o conviver e o agir da pessoa e da sociedade

-Levando à perfeição esse plano humano,retificando e guiando os desejos,os projetos e as ações,a esperança se torna o princípio coerente e unificador da vida,como coragem de existir,de aceitar e orientar o seu destino,no sentido do bem e de maneira responsável.

Nutrir e reforçar a esperança é,antes de mais nada,oferecer bases e condições concretas de viver.A primeira forma de presença da esperança é ir aprendendo como “dar certo” na vida e como dar sentido aos inevitáveis fracassos,dentro do processo de tentativas e erros.

A esperança é uma certeza prática,uma força que ajuda a viver,a superar as crises e a enfrentar os desafios.Ela deve ser fonte de energia,soerguendo o peso e exorcizando as incertezas da existência.

Ela nos oferece uma fonte de sentidos,um quadro de referência que nos ajude a dar,de maneira responsável,um sentido à história que vamos vivendo.A esperança nos leva a viver,sofrer,lutar na certeza da vitória e na busca dos valores e direitos humanos,o bem comum a promover,o discernimento dos valores éticos. É preciso manter a esperança em tempos não-utópicos.

Prof.José Pereira da Silva

Category: Imagens, Palavras do Zé | 1 comment

  • Andréia MArtiniano disse:

    Oláaaa td bem? já estamos cm sdddd…esta gostando da sua nova Casa? espero ke sim …vc merece… e não se eskeça onde vc estiver kero ke celebre meu casamento vc és umas pessoa iluminada…abraço forte….


  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *