Relações

TecladoO ser humano tem uma característica muito bonita que é a capacidade de criar e desenvolver relações. Relações com o outro, com as coisas e com Deus. Claro que também se relaciona consigo mesmo, Santo Agostinho, por sinal, fala do “Solilóquio”. É interessante a gente perceber como estamos inseridos num mundo que dinamiza constantemente em todos os aspectos: do natural ao científico. Tudo muda, diz o famoso filósofo Heráclito.

Podemos sentir a realidade no anglo das relações porque correlacionamos o tempo inteiro. Temos necessidade de escutar, falar, sorrir, aprender e ensinar, dar as mãos… ser olhado, considerado, enfim ser notado. O ser humano precisa passar pelo processo de convivência para aprender sobre o outro e suas diferenças próprias.

No mundo em que vivemos tudo concorre para tornar as relações bem mais fáceis quando possibilita a comunicação entre pessoas distantes através de diversos meios. Antigamente era difícil encontrar alguém em meio a uma multidão, tudo parecia obscuro. No entanto hoje, com as facilidades digitais tudo se torna mais próximo e acessível do ponto de vista tecnológico e digital. Então, os meios estão ai. Aliás, aqui. E o mundo está ficando cada vez mais globalizado, as pessoas de modo especial tem conseguido criar relações de proximidade mesmo estando distantes entre si.

Como afirmara o Pe. Antônio Spadaro, durante a sua palestra no 4° Encontro Nacional para comunicadores em Aparecida/SP neste último final de semana: Não temos simplesmente uma rede de fios a nossa frente, mas sim um mundo de relações, no qual pessoas partilham vida, sentimentos e sonhos, compartilham projetos, alegrias e tristezas, falam e são escutadas…

Assim, fica a seguinte questão para pensarmos: O que podemos aprender com tudo isso? Confesso que temos que saber lidar com toda essa realidade digital com sabedoria e discernimento, assim como nos é exigido em outros meios, principalmente no físico. A realidade presencial é marcada por afetos, palavras e sonhos… se a gente souber fazer uso destes meios virtuais, teremos uma enorme capacidade de tornar o nosso mundo melhor e mais solidário, mais humano e fraterno. Mas é preciso um esforço contínuo de não deixar morrer em nós o dom mais precioso de saber Conviver. Sair ao encontro e dar as mãos, unidade solidário-digital testemunhada no concreto da vida, na realidade física de cada um de nós, no dia a dia, no trabalho e na família.

Portanto, que fique de nós uma grande verdade: Nascemos para viver e conviver. E a nossa realização parte das nossas relações: Com Deus, comigo, com o próximo e com os bens da criação. Usemos os meios digitais desenvolvidos que facilitam este processo, porém não esqueçamos jamais de ser presença humanizadora em todos os sentidos de nossas relações cotidianas.

Trabalhar em Equipe

CalopsitasChicão, um grande amigo, também muito manhoso, chorão, é um filhote que adquiri recentemente. Manhosamente esperto, ele vem comendo triste, se alimenta só quando recebe papinha no bico… Achei ele manhoso demais e resolvi levá-lo pra quem conhece do assunto. No final da conversa, compreendi que os Calopsitas têm muito mais a ensinar que aprender de nós…

Então, foi assim que fiz. Hoje, decididamente peguei o meu Calopsita e entreguei ao Vilmar, um amigo de quem ganhei o pássaro. Gostei de ver o quanto ele é zeloso com os cachorros, pássaros e peixes, e tantos outros bichos que na sua loja tem. Primeiramente ele pegou o bichinho e o soltou no meio dos outros calopsitas do viveiro. Ufa, foi o suficiente para despertar no pássaro a sua identidade.

Interessante foi ver o quanto eles são carinhosos entre si. O Chicão chegou sem forças, desanimado, todo cheio de papinha derramada nas penas, bico lambuzado de papinha, parecendo criança quando tenta comer sozinha, rsrs… Mas ali, no viveiro, os seus companheiros já foram logo limpando as suas penas, intercalando entre cantos alegres e felizes… Foi assim que vi também o quanto é bom estar no lugar certo, encontrar o seu lugar próprio. Vi que o Chicão encontrou o seu lugar. Está feliz, começou a sentir-se seguro, comeu sozinho suas tão deliciosas sementes de girassol, cantarolando de alegria…

Confesso que eu saí bem melhor ao deixá-lo feliz em seu grupo de amigos. Voltei pra casa com essa certeza: Sozinho, isolado não dá. É impossível viver, é difícil encontrar estímulo e força quando se trabalha sozinho. Mas em Comunidade tudo ressoa diferente, encontramos ânimo e coragem em todos os momentos, a vida fica alegre e o brilho volta aos olhos com maior intensidade.

Trabalhar em Equipe também é assim: ficamos mais fortes na unidade e consequentemente produzimos mais paz, sucesso, sorrisos e sonhos… Recordo um verso antigo: “A comunidade que reza unida, permanece unida” e outro que diz: “Comunidade unida, jamais será vencida”.

Que jamais nos isolemos em meio às dificuldades da vida, que apesar dos desencontros e desafetos, jamais desistamos do outro, de uma boa amizade, pois, em Comunidade nossa vida é fica bem melhor.

Não desista da sua Equipe, se abra mais, se doe mais, seja mais solidário e assim você terá mais alegria de viver e força para vencer os obstáculos da vida. Enfim: Encontre o seu lugar, a sua comunidade e seja feliz!

Pe. Ivanilton,msj