Abraços

Uma palavra, um instante de silêncio e uma rosa a contemplar… um dedo de prosa e uma bela canção… Ah! isto é amar!

Gosto deste amor que se contenta com um toque de beleza através de uma simples leveza… do vento que se entrega à liberdade e faz que as palavras cheguem onde elas mais precisam chegar…

Gosto de viver cada instante como se fosse o último. Por isso sorrio estimulado pelo simples encontro com uma borboleta no meio do jardim… da vida carrego o melhor. Das pessoas me aproximo e busco amar…

Como é bom sentir o perfume de cada rosa… sei que há espinhos, não importo com isso – afinal: A vida não é um mar de rosas… Continue lendo

Advento: Tempo da manifestação de Jesus Cristo

Tempo de esperaMais um final de ano se aproxima. Percebe-se que a propaganda comercial “natalina” começa a pupular por todo lado,prometendo muita alegria e felicidade,ilusoriamente “embutidas” nos produtos de consumo.Esse é o natal do comércio.Já o natal do cristianismo é bem diferente,pois tem um sentido profundo.O natal do comércio gira em torno de objetos de consumo,já o Natal cristão gira em torno de uma pessoa: Jesus Cristo.

Como comunidade cristã iniciamos domingo(28/11) nosso tempo de preparação para o Natal.A esse tempo nós chamamos de Advento: tem a ver com aguardo,espera.É um tempo próprio para fazermos um balanço e retomar nosso compromisso com o projeto de Deus. Continue lendo

Hoje estamos nós em cena…

Não faz muito tempo, escutei pela primeira vez a música “sombra de um jatobá” de Toquinho, grande expoente da MPB. Confesso que daquela hora em diante, em minha vida, muita coisa mudou. Engraçado que a canção não trata de um tema extraordinário, tampouco complexo – ela fala de coisas do cotidiano. Talvez seja por isso que eu tenha me chocado tanto com as palavras que o poeta usou para expressar o seu sentimento diante da existência.

Não gostaria neste texto de fazer uma reflexão sobre a música, porque isso poderia até mesmo enfraquecer a sua intensidade… Pois, sinceramente, não há palavras para expressar de outro modo aquilo que na poesia se faz com maestria e exuberância, quanto mais quando se trata de refletir sobre elementos de nosso cotidiano… Todavia, quero simplesmente expressar o que senti ao escutar e ler os versos do seu estribilho que diz:

“Hoje estamos nós em cena/ e não há tempo a perder/ pois tudo acaba mesmo/ sempre em despedida”.

Com este verso comecei a chorar e a pensar sobre cada instante vivido, cada palavra pronunciada, e em cada segundo gastado à toa durante a minha vida… Continue lendo